© 2017 - Hospedagem HostPA
Web Designer: Adagilson Oliveira™

Entre em Contato

Av. Getúlio Vargas, nº 43, 1º Andar – Paulo Afonso-Bahia

Telefone: (75)3281-3009 / 3281-3639

Whats App (75)98823-4933

Email: contato@radiobahianordeste.com.br

bebe-de-4-meses-morre-em-primeiro-dia-de-creche-familia-acusa-unidade-por-negligencia

 

Foto: Reprodução / Facebook

Postado pela Agência RBN/// ///Portal de Notícias da 93, 5 (RA)

Uma bebê de 4 meses morreu em seu primeiro dia de aula numa creche particular. O caso aconteceu na última terça-feira (8), na creche Casinha do Saber, em Campinas, interior de São Paulo.

Familiares da vítima acusam funcionários da escola por negligência. De acordo com o Uol, Emanuelle Calheiro Maciel foi deixada no local pela mãe por volta de 13h. Duas horas depois ela voltou para buscar a filha e a encontrou com a boca roxa e sem responder a estímulos.

A bebê foi encaminhada ao hospital Casa de Saúde, mas morreu em seguida. Laudo médico confirmou as suspeitas dos familiares, de que a menina passou mal ao ser alimentada na creche. O documento aponta como causa da morte “bronco aspiração maciça de alimentos”

. Nesta quinta-feira (10), o corpo da bebê foi sepultado e a escola Casinha do Saber se manifestou pela primeira vez sobre o caso. A instituição disse que nenhuma situação semelhante havia sido registrada ao longo de sua trajetória e colocou-se à disposição dos familiares e autoridades.

“Todos os esforços possíveis foram realizados na tentativa de salvar a criança, contudo, sem sucesso”, disse a instituição em nota. A Polícia Civil disse que o caso será investigado pela 1ª DP/Campinas.

A prefeitura informou que a escola onde a menina morreu não tem alvará de funcionamento. “Um fiscal do Departamento de Urbanismo esteve no local na quarta-feira, dia 9 de agosto, e os representantes da unidade foram intimados a regularizar a situação em até 3 dias úteis.

O prazo terminará na segunda-feira, às 17h. Caso eles não entrem com o pedido de alvará dentro do prazo estipulado, a pasta tomará as medidas previstas em lei, que inclui multa, intimação para encerramento das atividades e até lacração do estabelecimento”, disse a prefeitura em nota.

A escola de educação infantil havia dito na nota que estava legalmente estabelecida, com alvará para exercício de suas atividades. O Ministério Público anexou o caso da bebê Emanuelle a um inquérito que apura a situação das escolas infantis particulares da cidade.

Fonte: BA NOTICIAS

 

 

Deixe uma resposta