Paulo Afonso-BA, 13/08/2022
logo-275x210

Índios bloqueiam rodovias de Águas Belas, Ibimirim e Pesqueira em protesto contra municipalização da saúde

Por Agência de Notícias RBN

Postado por:

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on google
Share on twitter
Postado por Agência de Notícias RBN//// ////Portal da RBN F, 93, 5
Grupos de índios bloquearam os dois sentidos de rodovias do Agreste e Sertão de Pernambuco na manhã desta quarta-feira (27) em protesto, entre outros, contra a proposta de municipalização dos serviços de saúde a indígenas por parte do Governo Federal.
A mobilização acontece desde às 8h30 nas Brs 423, em Águas Belas; 110, em Ibimirim; e 232, em Pesqueira. Os manifestantes atearam fogo em pneus para bloquear o trânsito nas rodovias e carregam cartazes com frases como “Prioridade à saúde indígena” e “Nenhum direito a menos”.
Nenhuma viatura da Polícia Rodoviária Federal (PRF) foi até o local, portanto ainda não há informações da quantidade de pessoas que participa dos atos.
Grupos indígenas protestam em rodovias do Agreste e Sertão de Pernambuco nesta quarta-feira (27) — Foto: WhatsApp TV Globo/Reprodução
Nota do Ministério da Saúde
“O Ministério da Saúde esclarece que a realização de ações na Atenção à Saúde Indígena desenvolvidas pela Secretaria Especial de Saúde indígena (SESAI) é uma das atribuições da pasta e que as eventuais mudanças no desenvolvimento dessas ações de vigilância e assistência à saúde aos povos indígenas ainda estão sendo objeto de análise e discussão.
É importante deixar claro que não existe, no momento, medida provisória do governo federal que modifica a política indigenista do país e municipaliza os serviços de saúde de indígenas.
Cabe ressaltar que não haverá descontinuidade das ações. Para isso, o Ministério tem se pautado pela garantia da continuidade das ações básicas de saúde, a melhoria dos processos de trabalho para aprimorar o atendimento diferenciado à população indígena, sempre considerando as complexidades culturais e epidemiológicas, a organização territorial e social, bem como as práticas tradicionais e medicinais alternativas a medicina ocidental.”
G1/Caruaru

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.