Paulo Afonso-BA, 29/10/2020
logo-275x210

Diretor interventor do presídio de Paulo Afonso descarta facilitação nas fugas da unidade prisional

Por Agência de Notícias RBN

Postado por:

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on google
Share on twitter

Durante o programa Ronda Policial desta quinta-feira (24), o diretor interventor do presídio regional de Paulo Afonso falou sobre a entrevista do presidente dos agentes prisionais da Bahia, Reivon Pimentel, o qual criticou a situação da unidade prisional.

Alex Silva que ficou na unidade prisional de Paulo Afonso até o último 18 de setembro, encontra-se no presídio de Vitória da Conquista, onde é diretor e falou que não culpa os policiais penais pelas recentes fugas no presídio de Paulo Afonso.

Problemas políticos na direção

“Primeiro cumprimentar o Reivon Pimentel, pessoa que eu estimo muito, eu ouvir com muita cautela e muita atenção o que foi falado do CPPA. Ocorre que não me envolvo em política, então eu não tenho muito o que esclarecer quanto ao diretor e diretor adjunto, essa parte política fica por parte dos políticos da região que acertem isso, eu tenho eles como o diretor da unidade e o diretor adjunto, o atual diretor foi afastado por ordem judicial e entendemos isso é o outro é o diretor adjunto que está no cargo. Eu entro nesse meio porque foi um pedido o secretário, do superintendente de gestão prisional para que eu fosse o diretor nesse período de pandemia, então eu fui pra cuidar da unidade para que não haja uma infecção grande e evitar um problema maior. Então essa parte política entre um e outro não me porta e não tomo conhecimento disso”.

Possível rebelião

“Ocorre que chega com muita tristeza isso dizendo que pode haver rebelião, mutins, eu não acredito muito nessa situação porque os policiais penais que eu conheço do presídio de Paulo Afonso são extremamente responsáveis, são pessoas dedicadas ao trabalho e que nunca tentariam fazer uma situação dessa”.

Entende a categoria 

“Lógico que se houve algum ato ou alguma conversa ou situação que cause revolta, eu entendo muito bem, a categoria se move, a categoria do sindicato entra nessa discussão. O problema que a gente tem que entender que o sistema prisional e isso em todas unidades prisionais tem seus problemas, são situações complexas quanto a segurança”.

Fugas não foi culpa dos agentes 

A modalidade de fuga que aconteceu no presídio de Paulo Afonso e que a gente lamenta muito, é uma modalidade muito comum em todas as unidades prisionais da Bahia, aconteceu recentemente em Feira de Santana, acontece na Mata Escura em Salvador e a gente tem que tentar evitar, mas nem sempre a gente consegue porque tem dois fatores, um a estrutura a unidade prisional que as vezes não consegue manter essa pessoa custodiada, então fragiliza em alguma forma e outra talvez a quantidade de servidores que não foi suficiente para ter toda essa vigilância”.

Descartada facilitação nas fugas 

“O que eu descarto é que haja qualquer facilitação de fuga, porque são pessoas idôneas, pessoa que eu conheço, lógico que tem um processo, vai ter uma apuração que foi encaminhado para a delegacia, tem um inquérito policial, vai ter processo administrativo e só ao final que a gente vai poder entender que isso tenha ocorrido”.

Servidores não fariam coisas erradas

“Eu conheço todos os servidores, fiz amizade com todos eles e sei que ninguém faria uma coisa dessa, acho que o que pode ter acontecido é uma fragilização de todo o sistema, nós estávamos sem o serviço de monitoramento por câmeras que estão passando por uma perícia, então isso ai pode ter facilitado, o preso passa muito tempo na cela e ali eles começam a serrarem aquelas grandes e ninguém percebe e ao final consegue arrancar uma grade daquelas e fugir”.

Missão cumprida em Paulo Afonso 

“A minha missão era até o mês de junho, prorrogou por mais 90 dias, então a minha missão em Paulo Afonso encerrou dia 18 de setembro, eu voltei para Vitória da Conquista porque estava sendo diretor de duas unidades ao mesmo tempo, então estou aqui na unidade de Vitória da Conquista com minha missão encerrada em Paulo Afonso. Agora claro, com esses novos problemas que surgiram essa semana, eu tenho que voltar e tentar conversar com eles, fazer aquele papel de bombeiro e tentar apagar esse incêndio ai”, finalizou.

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *